“Sentei em uma cadeira de rodas e saí por aí. Não sou cadeirante, mas…e se fosse? Com câmeras de vídeo acopladas à cadeira tenho participado de inúmeros eventos desde julho de 2013 e outras saídas pela Cidade do Rio de Janeiro, Duque de Caxias e Salvador, por exemplo.”
Fábio de Seixas Guimarães, criador do projeto.

Em 2013, aos 53 anos de idade, depois de passar 17 anos na Marinha, 10 na TV Globo e 4 como Micro Empresário decidi sentar em uma cadeira de rodas e entender as dificuldades das Pessoas com Deficiência. No início meu sonho era apenas criar Programas e Séries audiovisuais sobre o tema ACESSIBILIDADE, o direito de ir e vir. Hoje percebo que posso ajudar muito mais.

Assim, em julho daquele Ano surgiu o “Não sou cadeirante mas…e se fosse?”, um desejo de fazer a diferença para a Cidade Maravilhosa e para o Brasil.

Às vésperas da Copa do Mundo de 2014, com suas 12 Cidades Sedes, os 450 anos do Rio, em 2015, era o momento especial e oportuno para construir legados de acessibilidade e melhorar a infraestrutura para as Pessoas com Deficiência – PcD – ou mobilidade reduzida em nosso País. E mais, pensar que o Rio de Janeiro seria a Cidade Olímpica e Paralimpica em 2016 era entender que a história da acessibilidade no Rio e em outros cantos do Brasil teria que ser mudada a partir dalí.

BLA
BLA

Com isso, foi criado o BLA – Busco Legados de Acessibilidade – www.buscolegados.com –uma forma que encontrei para contribuir e ajudar o nosso País de ser mais acessível para TODOS os brasileiros e todos aqueles que venham nos visitar.

Meu foco desde o começo tem sido na infraestrutura pois, entendo que junto aos cadeirantes estão as pessoas com mobilidade reduzida como os cegos, surdos, obesos, idosos, mães com carrinhos de bebês, entre outros que precisam das mesmas facilidades de locomoção nos centros urbanos.

Em dezembro de 2015, na semana do dia Internacional da Pessoa com Deficiência, nasceu ASA – Ações e Soluções em Acessibilidade que tem o propósito de trazer soluções de infraestrutura e tecnologia para este público.


O que estava previsto para ser feito para 2016?


O que precisaria ser feito? Teríamos oportunidade de “plantar uma semente” do “Não sou cadeirante mas…e se fosse?” no Comitê de Preparação dos Jogos – Rio 2016?


Foi criado lá, em dezembro de 2013 o programa “Não sou cadeirante mas…e se eu fosse?”, com nossa autorização.

BLA
Blazinho

Nosso foco desde o começo tem sido na infraestrutura, pois entendíamos que junto aos cadeirantes estavam as pessoas com mobilidade reduzida como os cegos, surdos, obesos, idosos, mães com carrinhos de bebês, entre outros que precisariam das mesmas facilidades de locomoção nas grandes Cidades.

Mobilidade urbana, compreende acessibilidade humana.

BLA 2015
  • Morro da Urca – Rio de Janeiro – Evento Lançamento Samsung – Fevereiro
  • Mirante do Pasmado – Botafogo – Rio de Janeiro -Rio 450 (Info Globo) – Março
  • Jockey Club Brasileiro – Evento Vinhos de Portugal (Info Globo) – Maio
  • Jockey Club Brasileiro – Evento Rio Gastronomia (Info Globo) – Agosto
  • Evento Arte na Rua – Setembro • Cemitério Israelita de São João do Meriti – Setembro
  • Jockey Club Brasileiro – Evento Rio + Design (Info Globo) – Novembro
BLA 2014
  • REHATEC 2014 – Feira de reabilitação em São Paulo – Abril
  • REHACARE – Feira de acessibilidade em Dusseldorf – Alemanha – Outubro
  • Semana Rio+Design – Outubro e Novembro
  • TVBAND – Reportagem sobre acessibilidade – Novembro e Dezembro
  • Rio 2016 – Sensibilização de operários e equipes de obras Parque Olímpico – Dezembro
  • Rio 2016 – Avaliação de Rotas acessíveis em Copacabana – Dezembro
BLA 2013
  • Movimento na Praia de Copacabana pela acessibilidade – Julho
  • Evento OAB-RJ – Agosto
  • Evento COMDEF – Agosto
  • Praia de Copacabana – Setembro
  • Feira do Empreendedor – Outubro

VÍDEOS

FOTOS